(Cerrito) Governo do estado homologa situação de emergência

Assinado pelo prefeito Douglas Silveira no último dia 7, o decreto municipal de situação de emergência de Cerrito, expedido em virtude da seca que afeta o município desde novembro, foi homologado pelo Governo do Estado nesta segunda-feira (26).

Publicado no Diário Oficial, o reconhecimento da situação do município consta no decreto 53.935, assinado pelo governador José Ivo Sartori na última sexta-feira (23). Além de Cerrito, com toda área rural atingida, Candiota, Turuçu e Bagé também são contemplados pelo documento.

Com isso, os Órgãos Regionais Estaduais do Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil (SINPDEC) ficam autorizados a prestar apoio suplementar aos municípios afetados pela estiagem. O decreto estadual deixa claro que foi levado em conta para a homologação os danos humanos e prejuízos econômicos públicos, relatados, no caso de Cerrito, por um laudo emitido pela Emater que evidenciou a diminuição de R$ 6,2 milhões na receita prevista pelos produtores rurais.

CULTIVO EM MEIO ÀS ADVERSIDADES

Com aproximadamente metade da população residindo em zona rural, a produção agropecuária é o carro-chefe na economia do município de 6500 habitantes. É nesse cenário que os prejuízos calculados preocupam ainda mais.

De acordo com o laudo da Emater, assinado pelo engenheiro agrônomo Leandro da Fonseca, em algumas comunidades o volume total de chuva não chegou a 35% do esperado para o período. Com isso, alguns produtores foram obrigados a diminuir a área plantada devido à falta de umidade no solo ou, então, tiveram que plantar fora do zoneamento. Em ambas as condição a produtividade tende a diminuir consideravelmente.

As principais entidades do município estão engajadas em auxiliar na tentativa de amenizar os prejuízos e garantir o sustento das famílias afetadas. Cerca de 90 residências estão sendo abastecidas com água por caminhões pipa da Prefeitura de Cerrito. O Sindicato dos Trabalhadores Rurais e a Emater também acompanham de perto a situação que se agrava a cada semana sem chuva.

Matheus Muniz e Pedro Luiz Guerreiro
Assessoria de Imprensa Cerrito RS